Home > Turista Curioso > Samoa ou Kiribati: onde passar o réveillon 2018?
27 de dezembro de 2016

Samoa ou Kiribati: onde passar o réveillon 2018?

É um clássico: daqui a 4 dias, quando acordarmos (ou perto disso), veremos um monte daquelas notícias dizendo “já é ano novo na Austrália”, com fotos de Sidney iluminada por lindos fogos de artifício.

to-go-blogs-viajante-hiper-fogos-de-artificio
Sydney: ela vai aparecer no seu dia 31/12 (foto: iStock/Kokkai Ng)

Mas e lá na Austrália, o que os jornais dizem? Será que ele escrevem algo parecido aos seus leitores antes do réveillon local?

Não sei, nunca passei a data no país e nunca acordei tão cedo no dia 31 para acessar jornais australianos e tirar a minha dúvida. Mas eu adoraria saber que eles dizem “já é ano novo em Samoa e em Kiribati”, as duas nações do mundo que chegam primeiro em cada novo ciclo anual – e, portanto, antes da Austrália.

Samoa (foto: iStock/zstockphotos)
Samoa (foto: iStock/zstockphotos)
Kiribati (foto: iStock/nicolesy)
Kiribati (foto: iStock/nicolesy)

Isso acontece por um motivo muito simples: Samoa e Kiribati são (hoje) os países mais próximos do lado oeste da Linha Internacional da Data, a divisão política que determina o ponto onde um novo dia começa no nosso planeta. Essa linha no meio do mapa, aqui embaixo.

Ou seja: todos os dias, os povos destes dois países acordam à frente do tempo em relação a qualquer outro país do mundo. Porém, isso nem sempre foi assim.

Por um longo tempo, Samoa ficou do lado leste da linha e era um dos últimos países a terminar o dia. O privilégio de ser o primeirão em cada ano era de Kiribati.

Mas em dezembro de 2011, Samoa simplesmente pulou um dia no seu calendário e mudou para o lado oeste da linha, passando a fazer parte do mesmo fuso de Kiribati e, portanto, a fazer companhia ao país no topo do pódio.

Os objetivos da mudança foram comerciais, para que Samoa pudesse melhorar seus negócios com a Austrália – que antes disso vivia um dia à frente da ilha. Mas a consequência festiva foi inevitável.

Kiribati, que era o destino certo para quem queria entrar um novo ano antes de todos os seus amigos, passou a disputar atenções com Samoa.

Bandeira de Kiribati (ilustração: SKopp / Wikimedia Commons / domínio público)
Bandeira de Kiribati (ilustração: SKopp / Wikimedia Commons / domínio público)
Bandeira de Samoa (ilustração: Vzb83 / Wikimedia Commons / domínio público)
Bandeira de Samoa (ilustração: Vzb83 / Wikimedia Commons / domínio público)

É aqui que chegamos ao ponto que eu queria levar você ao ter a ideia de escrever este post: qual dos dois escolher para ver o ano primeiro (para começar a planejar a viagem do ano que vem)?

Coloquei meus achados em tópicos. Leia e decida.

– Ambos são paraísos no meio do oceano, mas Kiribati é mais indicada para quem não quiser fazer algo que vá muito além de nadar, comer, dormir na areia, contar gaivotas no céu, pescar, mergulhar, postar fotos no Instagram e passear de barco. Já Samoa tem floresta, museu e outras coisas.

Samoa: mais opções caso você canse da praia (foto: iStock/Rawpixel)
Samoa: mais opções caso você canse da praia (foto: iStock/Rawpixel)

– Ambos também são lugares com culturas incríveis.

– O site oficial de turismo de Samoa passa a impressão de que a ilha é bem mais desenvolvida no assunto, o que é bom se você não quiser encarar aventuras. Já o site oficial de Kiribati demonstra um certo amadorismo.

Samoa: confiei (Imagem: www.samoa.travel)
Samoa: confiei (Imagem: www.samoa.travel)
Site de Kiribati: podia ser melhorzinho (imagem: http://www.kiribatitourism.gov.ki)
Site de Kiribati: podia ser melhorzinho (imagem: http://www.kiribatitourism.gov.ki)

– Por outro lado, Kiribati parece ser bem mais genuíno. Além, é claro, de parecer ser mais indicado para quem busca aventuras.

– Kiribati é plana, tanto que o país é considerado um dos primeiros do mundo a sumir do mapa quando os níveis dos oceanos subirem.

– Por isso talvez seja melhor ir logo para Kiribati.

– Samoa tem montanhas e até vulcões, o que cria um visual mais impactante.

A montanhosa Samoa (foto: Kronocide / Wikimedia Commons / CC BY-SA 2.5)
A montanhosa Samoa (foto: Kronocide / Wikimedia Commons / CC BY-SA 2.5)

– Samoa é feita de duas grandes ilhas e apenas algumas pequenas. Perfeito para quem não quer pensar muito em para qual ilha ir.

– Kiribati é feita de mais de 30 ilhas. Perfeito para quem gosta disso.

Ilhas, ilhas e mais ilhas (foto: iStock/cliffwass)
Ilhas, ilhas e mais ilhas (foto: iStock/cliffwass)

– Se você desconsidera Samoa como um lugar legitimamente a oeste da Linha Internacional da Data (por causa da mudança recente com fins comerciais), saiba que ela pertencia a este mesmo lado até 1892, quando mudou para leste. E adivinhe por que ela fez isso naquela época? Sim: por causa do comércio – desta vez com os EUA.

– Ao mesmo tempo, muita gente diz que a posição de Kiribati não deve ser considerada correta, porque o país também mexeu na sua linha em 1995, para incluir algumas das suas ilhas que ficavam do outro da fronteira da data. O governo diz que fez isso para facilitar a vida dos seus próprios habitantes, mas as más línguas dizem que foi para o país poder ser o primeiro a entrar no ano 2000 e atrair turistas.

– Independentemente da linha política, Kiribati fica mais a leste e, portanto, recebe primeiro os raios do sol do novo ano. Se isso for o mais importante para você, Kiribati é o seu destino.

O sol chega primeiro aqui (foto: iStock/EvaKaufman )
O sol chega primeiro aqui (foto: iStock/EvaKaufman)

Feliz 2017 de planejamento e feliz 2018, seja lá em qual dos dois países você escolher passar o réveillon.

dica to go travel

Qualquer viagem do Brasil para Kiribati ou Samoa vai exigir muito tempo de voo. Para não chegar nelas sem forças para fazer qualquer coisa, programe uma parada mais longa em alguma escala pelo caminho. Assim você descansa e aproveita um destino extra.

Gabe Britto
Gabe Britto

Gabriel não se intimida com distâncias enormes, nomes de lugares que ninguém nunca ouviu falar, cardápios incompreensíveis. Mais do que viajar, ele adora pesquisar curiosidades exóticas e extraordinárias ao redor do mundo – e, claro, conferir de perto (e sem pressa) suas descobertas.