Home > Viajante Hiperconectad@ > As melhores cidades do mundo para morar
8 de setembro de 2017

As melhores cidades do mundo para morar

Acaba de sair o resultado do ranking 2017 da Economist Intelligence Unit. Austrália e Canadá se mantêm como os países com mais cidades ótimas para viver

melhores-cidades-to-go-blogs-viajante-hiper
Melbourne, na Austrália, lidera o ranking. Imagem: Pixabay_DADAs

Todo ano, o Economist Intelligence Unit, instituto de pesquisas e inteligência de negócios da renomada editora britânica The Economist, faz um ranking que elenca as 10 melhores cidades do mundo para se viver. Quem quiser pode baixar gratuitamente um resumo da pesquisa por este link.

Não há muitas novidades no topo do recém divulgado resultado do ranking 2017: ele é exatamente igual ao do ano passado. Melbourne, na Austrália, continua sendo a melhor cidade do mundo para morar, seguida por Viena (Áustria), Vancouver, Toronto e Calgary (todas no Canadá), Adelaide e Perth (as duas também na Austrália), Auckland (Nova Zelândia), Helsinque (Finlândia) e Hamburgo (Alemanha).

melhores-cidades-to-go-blogs-viajante-hiper
Toronto. Imagem: Pixabay_ElasticComputeFarm
melhores-cidades-to-go-blogs-viajante-hiper
Viena. Imagem: Shutterstock_LaMiaFotografia

Novamente, Austrália e Canadá aparecem como os países que reúnem mais cidades desta tropa de elite de padrão de vida. A quarta da lista, Toronto, é inclusive uma campeã que aparece em praticamente todos os rankings – leia mais sobre isso aqui.

Que o topo do ranking se mantenha igual faz um certo sentido, uma vez que os critérios de escolha são baseados em 5 áreas principais: estabilidade, infraestrutura, educação, sistema de saúde e meio ambiente. No entanto, fatores como preocupações com ameaça de terrorismo são os maiores responsáveis por fazer cidades caírem no ranking. Sydney, por exemplo, já esteve em 7º lugar e hoje se mantém na 11ª posição. Por conta disso, também caíram de posições cidades dos Estados Unidos, Reino Unido, Suécia, Bélgica, França e Turquia. Manchester e Estocolmo foram particularmente afetadas.

melhores-cidades-to-go-blogs-viajante-hiper
Helsinque. Imagem: Shutterstock_Scanrail1

Mas se dá para chegar a um denominador comum entre a maioria das 10 cidades que aparecem na frente é que estão em países de baixa densidade demográfica. A Austrália tem em média 2.9 pessoas por quilômetro quadrado e o Canadá, 3.7. Finlândia e Nova Zelândia também têm índices baixos – entre 15 e 18 pessoas/km2, enquanto a média mundial é de 57.

A Áustria foge a esta regra – são 106 pessoas/km2, mas Viena é uma das menores capitais europeias, com 1.8 milhão de habitantes, e com um dos mais baixos índices de criminalidade do mundo.

Houve também boas surpresas, cidades que não estão entre as campeãs de qualidade de vida mas subiram posições. Entre elas estão Montevidéu, Amsterdã, Reykjavik, Budapeste, Cingapura e Dubai.

melhores-cidades-to-go-blogs-viajante-hiper
Auckland é uma das melhores cidades do mundo para viver. Imagem: Turismo da Nova Zelândia.

Por outro lado, as que mais caíram, mas que ainda são possíveis de ser visitadas por turistas, são Detroit, nos Estados Unidos, e Moscou, na Rússia.

E, como se era de se esperar, as últimas cidades das 140 pesquisadas estão em área de conflitos. Damasco, na Síria, é a pior. Depois veem Lagos (Nigéria), Trípoli (Líbia), Dhaka (Bangladesh) e Port Moresby (Papua Nova Guiné).

Mesmo que você não esteja pensando em fazer as malas e zarpar para as campeãs de qualidade de vida, esta lista pode nos dar uma bela ideia da temperatura que um viajante encontra ao visitar um lugar. Afinal, um povo feliz recebe bem.

dica to go travel

Quer saber quais as 10 cidades do mundo foram votadas pelos leitores da Condé Nast como as que melhor recebem os visitantes? Neste post.

Passagens aéreas para Melbourne, Toronto, Helsinque, Auckland, Viena e Hamburgo

Hotéis em Melbourne, Toronto, HelsinqueAuckland, Viena e Hamburgo

Cindy Wilk
Cindy Wilk

Cindy rodou mais de 40 países, ama praias e desertos, acha a Ásia o continente mais aconchegante do mundo e não pretende parar nunca de viajar para escrever e escrever para viajar. Autora de Endereços Curiosos de Londres (Panda Books) e Volta ao Mundo em 101 Dicas (Ediouro), colaborou para várias publicações de viagem e foi diretora de redação da revista TAM nas Nuvens.