Home > Viajante Hiperconectad@ > Os melhores mercados do mundo
12 de maio de 2017

Os melhores mercados do mundo

De especiarias ou de antiguidades, gourmets ou históricos, conheça alguns mercados do mundo que são passeios obrigatórios

Após escrever aqui sobre os 10 mais surpreendentes mercados municipais brasileiros, me lembrei de como é delicioso descobrir cidades do exterior através de seus mercadões.

E quais são os melhores mercados mundo? Bem, depende para quê. Tem os que são gastronômicos, os coalhados de velharias interessantes, os tradicionais estilo oriente, enfim, difícil comparar lugares tão diferentes.

Então resolvi listar os meus preferidos de acordo com alguns critérios. Nada científico, para deixar bem claro. Aí vai o meu the best of:

O melhor para se transportar para o passado.
Mercado centenário é que o não falta neste mundão, mas o meu preferido continua sendo o londrino Borough Market. Ele fica no Southbank, na margem sul do Tâmisa e tem nada menos que 1000 anos, se bem que está no lugar atual desde 1755 – antes era uma feira de rua ali pertinho da London Bridge. E, como Southbank era a área frequentada por Shakespeare (o Shakespeare Globo é ali do lado), dá até para imaginar o bardo beliscando ali um snack da época, quem sabe uma geleia de enguia? E, para constar: o mercado, reformado em 2013, anda lindão e bem frequentado.

mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
O charme londrino em forma de mercado. Shutterstock_AC Manley
mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
Shutterstock_Thinglass

O melhor mercado do Oriente.
São 61 ruas cobertas, com mais de 4 mil lojas que atraem entre 250 e 400 mil pessoas por dia. Estou falando do Grand Bazaar, em Istambul, considerado um do mais antigos “shopping centers” da história. São tantas coisas, cores e gente tentando lhe vender tudo que você sai de lá zureta. E tudo naquele esquema de pechinchar, que faz parte da brincadeira. O forte ali são tapeçarias, roupas, cerâmicas, enfim, coisas. Para comidas e temperos, há outro mercado incrível em Istambul: o Spice Bazaar, também conhecido como Egyptian Market. Para falar a verdade, o meu preferido na cidade.

mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
A cara do oriente. Shutterstock_EvrenKalinbacak
mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
Shutterstock_photo.ua


O melhor para os gourmands.

Neste quesito também há uma infinidade mundo afora. Mas, na minha opinião, nada se compara à Le Grand Epicerie de Paris, que é a impressionante área gastronômica da loja de departamento Le Bon Marché Rive Gauche. São cerca de 5 mil produtos gourmet vindos de todos os cantos do mundo concentrados em apenas um lugar. E, claro, destaque para queijos e trufas franceses mesmo. Ou, quem sabe, queijos trufados? Ah, dá para almoçar maravilhosamente por ali.

mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
A construção original do mercado, de 1852. Imagem: divulgação.
mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
Macarons, o clássico francês. Imagem: divulgação.

O mais espiritual – ou nem tanto.
Que Jerusalém é uma cidade complexa, ninguém discute. Pois o principal mercado da Cidade Velha, o Souq ou Mercado Árabe, confunde-se geograficamente com a Via Dolorosa, o caminho que Jesus percorreu com a cruz. Na prática: em meio a religiosos de todas as três principais religiões monoteístas passando por ali, há uma infinidade de vendedores tentando lhe puxar para dentro de uma lojinha e empurrando de terços a xícaras, de pedras semi preciosas a camisetas engraçadinhas. Sagrado e profano juntos e misturados. Para quem quer visitar um mercado de comida em Jerusalém, a dica é o Mahane Yehuda, na parte nova da cidade.

mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
Shutterstock_Alexey Stiop
mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
Temperos, temperos e mais temperos. Shutterstock_DeltaOFF

O mais sinistro.
Hoje, está bem mais para um mercado hipster do que para um lugar esquisitão, mas o Spitalfields Market  e toda a área ao redor têm uma história super sinistra: era lá que Jack, o Estripador, fazia suas vítimas na Londres vitoriana. Ao lado do mercado, o pub Ten Bells tem ainda hoje fama de mal assombrado e era onde as prostitutas vítimas do serial killer bebiam suas doses de gin. Dica: em Londres há vários programas de graça, inclusive city tours que seguem os passos de Jack, o Estripador. Aproveite para visitar o mercado antes ou depois de uma caminhada guiada destas.

mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
Sinistro ou não?
Shutterstock_Kiev.Victor
mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
Shutterstock_Julie Mayfeng

O que tem de tudo (mesmo).
Quer um mercado onde estão à venda “artigos” tão variados quanto uma cobra phiton e uma almofada em formato de melancia? Então siga para o Chatuchak Market, o mercadão de final de semana que é um dos melhores passeios de Bangkok, na Tailândia. Aliás, tente passar o final de semana em Bangkok por causa do mercado. Sim, há na cidade mercados flutuantes interessantes, mas o Chatuchak é superlativo: 15 mil barracas divididas por produtos, em 27 seções, cobrindo uma área de 110 mil metros quadrados. E com preços tailandeses.

mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
Imenso e colorido. Shutterstock_martinho Smart
mercados_do_mundo_to_go_blogs_viajante_hiper
De tudo um pouco. Mesmo. Shutterstock_artography1976

Confira mais dicas sobre Londres, Paris e Istambul em nossos Guias de Viagem.

dica to go travel

Em muitos países, especialmente na Ásia, Oriente Médio e norte da África, barganhar é não apenas permitido, mas esperado. Ou seja, o preço das coisas nos mercados é totalmente negociável. Informar-se sobre estas diferenças culturais antes de encarar um bazar é fundamental.

Passagens aéreas para Londres, Paris, Istambul, Tel Aviv e Bangkok

Hotéis em Londres, Paris, Istambul, Jerusalém e Bangkok

Cindy Wilk
Cindy Wilk

Cindy rodou mais de 40 países, ama praias e desertos, acha a Ásia o continente mais aconchegante do mundo e não pretende parar nunca de viajar para escrever e escrever para viajar. Autora de Endereços Curiosos de Londres (Panda Books) e Volta ao Mundo em 101 Dicas (Ediouro), colaborou para várias publicações de viagem e foi diretora de redação da revista TAM nas Nuvens.