Home > Viajante Hiperconectad@ > A sua San Francisco
29 de junho de 2016

A sua San Francisco

Para famílias, saudosistas, tecnológicos, conscientes, moderninhos ou apenas amantes de um bom projeto urbanístico. Escolha o seu lado da cidade. Ou visite todos

Foto: iStock_LunaMaria
Foto: iStock_LunaMaria

A cidade mais antenada da Califórnia sempre esteve na vanguarda dos movimentos culturais. É a San Francisco dos beatniks, dos hippies Summer of Love de 1967, do movimento gay que fez do bairro do Castro seu quartel general, da onda sustentável que rendeu à cidade o título de “Cidade mais verde dos Estados Unidos” em 2011. Agora é a vez dos techs e da economia criativa – o Vale do Silício chegou em Frisco com a determinação dos leões marinhos que não arredam pé do Píer 39. No meio disso tudo, qual é a parte da cidade que tem mais a sua cara?

Para famílias com crianças.
Vou ter de pedir licença para a Bettina Monteiro, do Família em Férias, mas vou entrar no quadrado dela. Se eu tivesse filhos, iria direto para o Píer 39 para ver os leões marinhos. (Aliás, fui para lá mesmo sem crianças e achei um programaço ver os bichinhos preguiçosos ao sol ou chuva.) Toda esta região da costa, incluindo Fisherman’s Warf, é muito bacana para passear com os pequenos. Não deixe de ir ao Exploratorium, também ali perto, um museu de ciência que explica, com umas engenhocas impressionantes, praticamente tudo. Quem não quiser entrar no museu, só a lojinha já vale, com coisas super necessárias tipo comida de astronauta…

Foto: iStock_Jose Antonio Santiso Fernandez
Foto: iStock_Jose Antonio Santiso Fernandez

Para bikers vegetarianos.
Fort Mason, na região da Marina tem um dos melhores vegetarianos orgânicos do mundo, o Greens. O ambiente remete mais à estética industrial e passa longe de ter qualquer referência que se espere de um lugar ligado ao San Francisco Zen Center e à Green Gulch Farm, fazenda orgânica tocada por monges de uma linha de Zen Budismo de origem japonesa. O negócio é ir lá para o brunch de domingo. E dali sair pedalando até a Golden Gate Bridge. Para os mais preparados, dá para ir até sausalito e voltar. Super programa.

Foto: iStock_MaciejBledowski
Foto: iStock_MaciejBledowski

Para quem ama urbanismo.
Bom começar na praça mais linda da cidade, Alamo Square, aquela das “Painted Ladies”, o conjunto de casas mais emblemático de San Francisco. De lá, vale descer pela Hayes Street, uma rua muito charmosa, até chegar Octavia Boulevard. Neste entroncamento, hoje há uma pracinha linda, sucos orgânicos no food truck Juice Shop, uma padaria incrível, a La Boulange. Mas nem sempre foi assim. Era um viaduto ao estilo do Minhocão, em São Paulo, transformado em praça há 10 anos. Projeto urbanístico bem interessante. Lá perto fica também a Hayes Valley Farm, uma fazendinha urbana com cursos de permacultura.

Foto: iStock_Luciano Mortula
Foto: iStock_Luciano Mortula

Para os saudosistas.
A City Lights ainda está lá no mesmo lugar, na esquina da Columbus com a Broadway, no centrão de San Francisco. É o coração beatnik romântico da cidade. Ainda nessa linha nostálgica, vale um passeio do Haight Street, a espinha dorsal de Haight-Ashbury, o bairro que brilhou na fase hippie bicho-grilo, mas que hoje anda um pouco em decadência. Mas vale o passeio, especialmente para dar uma passada a Amoeba Records, imensa loja de vinis que tem absolutamente tudo que você já passou para frente na vida e se arrepende amargamente. E, para finalizar o passeio, uma voltinha pelo Golden Gate Park, ao lado.

Foto: iStock_f8grapher
Foto: iStock_f8grapher

Para os techies.
Apaixonados por tecnologia vão delirar ao dar volta pelo SoMa (acróstico para South of Market Street), bairro onde hoje a maioria das empresas de tecnologia tem suas sedes. Ficam lá o Airbnb, Pinterest, e muitas outras. A dica lá é terminar o passeio na Cellarmaker Brewing Co, uma microcervejaria onde todo o povo das startups e das grandes empresas de tecnologia se encontra para tomar ótimas cervejas artesanais. Ah, se você quiser comprar um litro para levar para casa é só trazer seu próprio vasilhame.

Foto: iStock_Spondylolithesis
Foto: iStock_Spondylolithesis

Para os hipsters.
Mission Dolores, que era o bairro da comunidade Latina, virou o centro da cena hipster moderninha. Vale andar na Valencia Street, onde a onda é o locavorismo. Mission Cheese, por exemplo, é um wine bar que só trabalha com vinhos californianos e queijos também locais. Há também um punhado de lojinhas pitorescas por ali, a começar pela Curiosities for Kids, loja de brinquedos inspirados na era pré-digital, daqueles que os adultos gostam mais do que as crianças. É do mesmo dono que a Paxton’s Gate, cujo tema é ciências naturais. Leia-se: tem desde materiais para jardinagem até taxidermia (animais empalhados). E vale terminar o rolê no Dolores Park, o parque da cidade que mais preserva o espírito libertário da San Francisco de 1970, mas com pitadas digitais. Os vendedores ambulantes que circulam por ali têm avaliações no Yelp.

Foto: iStock_Joe Christensen
Foto: iStock_Joe Christensen

dica to go travel

Há muito mais o que ver nos arredores de San Francisco. Já pensou em ir até Los Angeles pela Highway 1? Ou então, se for inverno, esquiar em Lake Tahoe? Basta alugar um carro e botar o pé na estrada.

Passagens aéreas para San Francisco

Hotéis em San Francisco

Cindy Wilk
Cindy Wilk

Cindy rodou mais de 40 países, ama praias e desertos, acha a Ásia o continente mais aconchegante do mundo e não pretende parar nunca de viajar para escrever e escrever para viajar. Autora de Endereços Curiosos de Londres (Panda Books) e Volta ao Mundo em 101 Dicas (Ediouro), colaborou para várias publicações de viagem e foi diretora de redação da revista TAM nas Nuvens.