Home > Viajante Hiperconectad@ > A vida de praia em Tel Aviv
17 de agosto de 2016

A vida de praia em Tel Aviv

Tel aviv não é só praia. Tem arquitetura Bauhaus (ao menos 400 prédios restaurados), tem museus, tem o parque Ha Yarkon, tem lugares lindos para passear, como os bairros iemenita e Neve Tzedek, ou restaurantes de primeira, mas… Não tem pra ninguém. Ao menos no verão o dia na cidade acontece acontece mesmo é nas praias.

Foto: iStock_Joel Carillet
Foto: iStock_Joel Carillet

Especialmente nos 6 quilômetros de costa mediterrânea que banham o centro da cidade, entre os portos de Tel Aviv e de Jaffa. O calçadão que acompanha esta faixa de areia, o Tayelet, acaba de ser totalmente reformado. Um projeto milionário – com formas orgânicas que remetem às dunas de Tel Aviv pré-concreto – que deu uma cara super moderna à cidade.

Foto: iStock_RudyBalasko
Foto: iStock_RudyBalasko
Foto: iStock_RudyBalasko
Foto: iStock_RudyBalasko

É lá, especialmente no fim de tarde, quando o sol dá uma trégua, que os israelenses se exercitam. É muita gente correndo, passeando com o cachorro, pedalando (muitos em bicicletas elétricas, tudo bem), ou malhando em aparelhos com cara de playground de criança.

Foto: iStock_Anna Bryukhanova
Foto: iStock_Anna Bryukhanova

Mas claro que tem gente que prefere apenas se sentar nos restaurantes pé-na-areia, tomar os (bons) vinhos locais, alguns produzidos no desértico Neguev, cervejas Goldstar (também boas) ou beliscando petiscos tão esquisitos como melancia com queijo feta (eles amam).

Foto: iStock_Anna Bryukhanova
Foto: iStock_Anna Bryukhanova

Tecnicamente, a praia de Tel Aviv é uma só faixa de areia, banhada por um mar cor de esmeralda. Mas deram um jeito de inventar dezenas de “praias”, conhecidas pelo nome da rua ou do hotel exatamente na frente – e cada qual com sua atmosfera bem particular.

Caminhar da familiar Metzizim, ao sul do porto, à central praia Gordon, seria como ir do Arpoador ao Posto 9, no Rio de Janeiro. Mas aqui, a fauna urbana pode ser ainda mais variada: a praia dos religiosos fica a um tapume da que permite cachorros, por sua vez colada à praia gay.

Foto: Cindy Wilk
Foto: Cindy Wilk

Eu disse tapume? Sim. Uma curiosidade: na praia dos religiosos há dias específicos para homens e para mulheres.

Foto: Cindy Wilk
Foto: Cindy Wilk

Já Hilton Beach tem mais ostentação e fica ao lado da Marina, onde há uma histórica piscina pública de água salgada.

Foto: iStock_delray77
Foto: iStock_delray77
Foto: iStock_luoman
Foto: iStock_luoman

Frischman e Bograshov são as preferidas dos franceses e Geula, da galera mais bicho grilo. Enquanto Banana Beach é a preferida da galera que mora nos bairros do sul da capital.

Foto: iStock_geneward
Foto: iStock_geneward

Todas elas (com exceção da religiosa) têm algo em comum: em algum momento do fim de tarde ficam repletas de gente jogando o que muitos consideram o esporte nacional israelense: matkot, um primo do frescobol. É preciso ficar esperto para não levar uma bolinha na cara.

Foto: iStock_Joel Carrolet
Foto: iStock_Joel Carrolet

E não importa qual a sua praia, a grande atração de Tel Aviv é ver o sol se pôr no mar.

Foto: iStock_run77th
Foto: iStock_run77th

Ninguém aplaude como no Arpoador, mas poucos são os que conseguem tirar os olhos do espetáculo.

dica to go travel

Em Tel Aviv, esqueça o carro. Aqui a melhor forma de se locomover é a pé – e se você estiver bem localizado, no centro, dá para andar para todo lado; ou de bicicleta. Uma dica: de bike, circule apenas por ciclovias ou, quando não tiver, pela calçada. E, se for bicicleta elétrica, as pessoas costumam levar a bateria quando deixam a bike. Israel é super seguro, mas, sim, são comuns os casos de roubos de peças de bicicleta.

Passagens aéreas para Tel Aviv

Hotéis em Tel Aviv

Cindy Wilk
Cindy Wilk

Cindy rodou mais de 40 países, ama praias e desertos, acha a Ásia o continente mais aconchegante do mundo e não pretende parar nunca de viajar para escrever e escrever para viajar. Autora de Endereços Curiosos de Londres (Panda Books) e Volta ao Mundo em 101 Dicas (Ediouro), colaborou para várias publicações de viagem e foi diretora de redação da revista TAM nas Nuvens.